Olá pessoal, sejam bem vindos de volta ao meu canal! Se você é novo, seja bem-vindo!

Veja um Pouco sobre a Moda Italiana

Meu nome é Germana e este é meu primeiro podcast. Hoje eu decidi que quero contar a vocês algo sobre Made in Italy: de seu valor, sua história, seus elementos caracterizadores e o que representa nacional e internacionalmente. Você está pronto? Vamos começar!

Feito na Itália. O que é este conhecido feito na Itália? Em suma, podemos dizer que indica tudo o que é fabricado principalmente na Itália e digo principalmente porque nem sempre isso que é rotulado como Made in Italy é produzido 100% na Itália. Você sabia?

Isso significa que algumas etapas da produção do que definimos Made in Italy também podem ocorrer no exterior.

De acordo com a lei Reguzzoni-Versace de março de 2010, um produto pode ser definido como Fabricado na Itália quando pelo menos duas etapas de seu processamento ocorrem na Itália e este tem sido frequentemente um tópico de discussão, especialmente por grandes empresários italianos cuja produção de roupas, calçados e têxtil ocorre inteiramente na Itália. Este conceito, portanto, aparece hoje para oscilando impetuosamente entre a lógica da moda rápida e aqueles relacionados com a tradição e habilidade italiana. Pense em como é importante conhecer o proveniência de um produto, a origem de seus materiais e o local de sua produção, tão importante que até influencia nossa escolha de hora de comprá-lo. Na verdade, se você pensar sobre isso, Made in Italy tem todas as características para ser uma marca real, porque é identificação de uma tradição histórica transmitida na Itália desde os primeiros anos Cinqüenta, que ainda continua existindo e crescendo hoje e por este motivo incorpora uma forte identidade que o torna único e reconhecível no cenário internacional. Pause este podcast e pense em três características que vêm à mente quando você as ouve palavras feitas na Itália. Feito? Vamos ver se acho. Qualidade. Artesanato. Tradição. Criatividade. Autenticidade. Inovação. Luxo. Eu adivinhei algum? Made in Italy é caracterizado por operar em quatro setores de produtos definidos como “4 A”. Roupas, que incluem também têxteis e acessórios; Móveis e design; Agroalimentar; Automóveis. No episódio de hoje vou falar algo sobre roupas e então na moda italiana. Por favor não se esqueça de inscreva-se para acompanhar também os próximos episódios em que contarei sobre os outros A. que caracterizam Made in Italy. Tudo começou na década de 1950, os chamados anos do boom econômico italiano. A Itália começa a entrar no cenário da moda internacional que até então era um monopólio parisiense. Uma data importante para lembrar é, sem dúvida, 12 de fevereiro de 1951, dia em que o então empresário Giovanni Battista Giorgini organizou em sua casa em Florença, um desfile de modelos de alfaiates romanos e A milanesa. Giorgini aproveitou a grande presença de jornalistas Americanos e compradores que vieram assistir aos desfiles da alta costura francesa que sim acontecia naquela época em Florença, para dar a conhecer a moda italiana que era nascido nesse período das lojas de artesanato italiano e teve sucesso com sucesso 12 de fevereiro de 1951, na verdade, tornou-se uma data emblemática para o Moda italiana que a partir daquele momento passou a ser reconhecida pela principalmente a mídia estrangeira americana, o que levou ao gradual enfraquecimento do monopólio francês no cenário da moda internacional. Assim nasceu o estilo italiano, que é um estilo caracterizado pelo requinte e qualidade dos tecidos, desde o artesanato até a inovação. o que A Itália se comunica com o exterior é o gosto do saber fazer, ou melhor, de saber fazer. Moda, arte e cultura começam a se misturar e se misturar influenciar uns aos outros. Arte italiana que inspira moda e vice-versa dá origem a criações únicas que, com a crescente atividade industrial da nesses anos, eles chegam em todo o mundo. O último desfile de moda em Florença data de 1967 e adivinhe qual cidade vai se tornar a capital da alta costura da época? Ainda é cedo para o Milan. A alta moda mudou-se para Roma, enquanto a boutique de moda continua a crescer em Florença. Algo estava mudando e começando a acontecer space um novo conceito de moda o prêt-à-porter, que está se desenvolvendo na Itália totalmente em Milão, uma cidade industrial de vanguarda e um símbolo do boom Economia italiana. Em suma, o prêt-à-porter representa uma nova ideia de moda típica milanesa que se destaca da alta costura francesa e romana. É um produto industrial, mas de design. Foi na década de setenta que o Milan começou construir uma nova identidade que a levará a ser definida como “capital da moda italiana. “Nasce a figura do estilista que se destaca da alfaiate que trabalhava em butiques e cujo costureiro de alta costura. O estilista é na verdade, um alfaiate e um empresário ao mesmo tempo. Pense em Domenico Dolce e Stefano Gabbana, a Valentino e Giancarlo Giammetti, a Sergio Galeotti e Giorgio Armani. Nos anos setenta e oitenta, feito na Itália atinge seu pico e se torna um fenômeno de massa reconhecido internacionalmente como uma marca. O novo boom econômico aumenta o fenômeno de consumismo que, ao contrário do que já ocorria na década de 1960, sim caracteriza-se por ser mais individual e menos relacionado ao meio familiar. Quem compra, compra bens duráveis ​​como eletrodomésticos, automóveis, mas também bens de consumo rápido, como roupas e acessórios. Graças às novas tecnologias, as mulheres demoram menos para se dedicar ao trabalho doméstico e este é apenas o começo de um mudança social que vê os papéis de homens e mulheres mudarem radicalmente. A moda, o culto da beleza estética, começa a tomar cada vez mais os pés e ambos se tornam elementos significativos na definição do indivíduo. A moda abraça, portanto, homens e mulheres, indiscriminadamente. E a partir da revolução social da época, um papel cada vez maior do mulher, que também cobrirá funções gerenciais no trabalho. Assim, Milão, a cidade da indústria, se transforma na chamada “Milão para beber”, uma cidade dinâmico e animado, especialmente rico em eventos de moda. Já na década de 90, surgiram grandes grupos de moda de luxo como Prada e Gucci. A marca passa a ser mais importante do que o próprio produto. As lojas de meros pontos de venda tornam-se cenários reais em que a marca expressa e comunica sua personalidade. Daqui vem um lento descida da moda prêt-à-porter que, assim, começa a dar lugar ao luxo. Na verdade, se pensarmos bem, não é por acaso que hoje as grandes marcas italianas da moda tem muito a ver com o mundo do luxo. Bem, isso é tudo por hoje. Agora que cobrimos os principais estágios históricos juntos da evolução da moda Made in Italy, quais você diria que são os fatores principais contribuintes para o seu desenvolvimento? Deixe-me saber nos comentários abaixo o que você achou. Espero que este podcast tenha sido interessante para você e para você dado um alimento para reflexão e pesquisa. Obrigado por me ouvir e espero vê-lo no próximo episódio. Olá!

Poderá ver o vídeo no youtube Aqui